Logo Minuto Weleda

Alergias respiratórias na infância - Minuto Weleda Blog

Alergias respiratórias na infância

A tosse não passa, o peito está chiando e os pais ficam cada vez mais angustiados. É asma? É bronquite? Pode ser algo pior? Muitos pais têm dúvidas se os filhos estão com gripe ou alergia de vias respiratórias. As alergias respiratorias causam espirros, obstrução nasal, coceira nos olhos e no nariz, falta de ar, tosse, coriza e dores de cabeça. Geralmente, a criança não tem febre. Se o caso é gripe, a febre aparece, assim como dores no corpo, e a criança fica quietinha. Crianças quietas, sem energia são sempre um sinal de alerta para os pais. As alergias das vias respiratórias, assim como a grande maioria das alergias, permanecem com suas causas pouco conhecidas pela medicina e, portanto, não há uma garantia de cura, mas as crises podem ser controladas, diminuídas e até mesmo desaparecerem completamente por tempo indeterminado.

A regra de ouro quando se trata de alergia é a observação. Os pais podem relacionar as crises alérgicas com mudanças de temperatura e, ainda, se a presença da criança em certos ambientes da casa causa crises alérgicas. Durante os dias frios e secos temos mais acúmulo de poeira e poluição, aumentando as chances das crianças terem crises alérgicas respiratórias.

Na alergia, uma pessoa apresenta uma sensibilidade mais intensa a um alimento específico, picada de insetos, medicamento e até mesmo a poeira e pelos de animais. A crise alérgica respiratória se inicia quando a mucosa nasal (membrana que fica dentro do nariz) entra em contato, via inalação, com qualquer agente externo, por exemplo: poeira, pólen ou grama. Um sinal de alerta é enviado às células de defesa do corpo que contra-ataca, causando uma inflamação nas vias aéreas, na tentativa de expulsar os invasores, com muita tosse, falta de ar, cansaço, aperto e chiados no peito. As alergias têm duas fases. A primeira, quando entramos em contato com o agente externo, e a segunda, inflamatória, que ocorre após quatro a oito horas.

Dentre as alergias de vias respiratórias, a rinite alérgica é a mais comum. Na rinite o nariz “escorre”, pode ficar entupido, coçando e ainda a criança pode ter espirros constantes. Em alguns casos os olhos coçam e lacrimejam. A rinite, assim como a asma não aparece somente em dias frios. Pode ser causada por flores, grama, ácaros presentes na poeira, insetos como baratas, fungos, urina, saliva de animais, fumaça de cigarros e produtos com cheiros fortes, como perfumes e materiais de limpeza. Uma das complicações da rinite é a sinusite, que causa dor de cabeça, obstrução e secreção nasal, tosse e pode haver febre. A rinite alérgica também pode levar ao desenvolvimento da asma.

O Brasil é um dos países com o maior número de casos de asma e rinite. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), no mundo, são mais de 235 milhões de pessoas que sofrem com a asma. A asma é uma doença crônica que pode ser revertida com tratamento. Durante as crises asmáticas, os músculos que ficam na parede dos brônquios incham, causando estreitamento na passagem do ar para os pulmões, causando o chiado no peito e a dificuldade para respirar. Outros sintomas são a tosse e a inflamação nos brônquios (conhecida como bronquite). A asma pode ser desencadeada por crises emocionais e alérgicas. Nos casos em que a asma persiste por um longo período, pode causar deformações no pulmão e tórax. Se os pais têm ou já tiveram asma, geneticamente, há mais chances de que os filhos tenham a doença. E também há muitos casos em que crianças com asma não tenham crises na vida adulta.

O Ministério da Saúde recomenda que o diagnóstico da asma seja realizado de forma clínica, analisando o número de crises e por quanto tempo os sintomas persistem, e sempre que possível, para confirmação do diagnóstico, realizar a prova de função pulmonar, também chamada de prova do sopro. A prova de função pulmonar serve para medir a quantidade de ar que entra e sai dos pulmões. Os resultados obtidos são então comparados com a média esperada para sexo, altura e peso.

De maneira geral, o diagnóstico das alergias respiratórias é feito a partir da história das crises e exame clínico, na tentativa de achar uma causa para os sintomas respiratórios. Podem ser feitos testes cutâneos e exames de sangue, para descobrir qual agente causa a alergia.

As alergias que causam asma e rinite também podem ser tratadas com medicamentos e prevenidas com vacinas. A Associação Brasileira de Alergia e Imunologia indica a aplicação da vacina para alergia (também chamada de imunoterapia com alérgenos) em conjunto com outros tratamentos e controle de exposição às situações que podem causar alergias. O agente que causa a alergia é identificado por exame de sangue e/ou teste cutâneo. O paciente recebe doses crescentes desse agente durante um a três anos, com o objetivo de diminuir ou até inibir completamente as alergias.

Independentemente da forma de tratamento, a prevenção das alergias pode ser feita com algumas medidas:

  • Limpe a casa com frequência. A poeira e os ácaros são causas de alergias respiratórias.
  • Mantenha as janelas abertas e tire o mofo das paredes, que pode causar rinite e asma.
  • Evite o uso de cortinas e tapetes.
  • Faça inalação de soro fisiológico para aumentar a hidratação das vias respiratórias. A falta de umidade pode causar crises de rinite.
  • Evite situações em que a criança entre em contato com a fumaça de cigarro e cheiros fortes, como de perfumes, tintas, incensos.
  • Identifique e afaste as crianças dos causadores das alergias.
  • Evite que os animais de estimação entrem no quarto.

A ideia principal não é criar as crianças dentro de uma bolha, mas que a família tenha conhecimento das causas das alergias e criem hábitos saudáveis. A melhor forma de ação, quando a criança apresenta alguma alteração na respiração, é sempre procurar um profissional.

Terapias complementares e alternativas, incluindo fitoterapia, medicamentos antroposóficos, homeopatia, acupuntura, dentre outros, têm sido utilizadas juntamente com métodos convencionais no tratamento de alergias das vias respiratórias. Esse tratamento integrativo tem sido responsável pela redução dos sintomas e prevenção das crises. Nos tratamentos fitoterápicos e homeopáticos a pureza da matéria-prima e a preocupação com os processos de produção dos medicamentos devem ser sempre observadas.

Os produtos da Weleda têm suas substâncias extraídas da natureza, são fabricados segundo rigorosos critérios de qualidade e respeitam o uso sustentável de matérias-primas, a biodiversidade e a utilização ecológica dos recursos naturais. A Weleda aconselha que você procure sempre um médico ou farmacêutico antes de comprar ou utilizar quaisquer medicamentos.

Conteúdo revisado por Dr. Fabricio Dias – Médico da Família – CRM-MG 40620.

Fontes:

ASBAI-RJ – Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. Imunoterapia com alérgenos (vacinas para alergia). Disponível em: <http://www.asbai.org.br/secao.asp?s=81&id=298>. Acesso em: 9 maio 2017.

ASBAI-RJ – Associação Brasileira de Alergia e Imunologia. Regional do Rio de Janeiro. A doença do século XXI – Alergia – Perguntas e respostas. Rio de Janeiro: Livraria e Editora Revinter Ltda., 2012. Disponível em: <http://www.asbai.org.br/imagebank/ALERGIA-PERGUNTAS-E-RESPOSTAS.pdf>. Acesso em: 8 maio 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Blog da Saúde. Asma, bronquite crônica e enfisema. Disponível em: <http://www.blog.saude.gov.br/index.php/570-perguntas-e-respostas/35049-asma-bronquite-cronica-e-enfisema>. Acesso em: 25 maio 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Blog da Saúde. É gripe ou alergia? Saiba diferenciar uma da outra. 2015. Disponível em: <http://www.blog.saude.gov.br/index.php/35673-e-gripe-ou-alergia-saiba-diferenciar-uma-da-outra>. Acesso em: 7 maio 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Doenças respiratórias crônicas. Brasília: Ministério da Saúde, 2010. 160 p. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_respiratorias_cronicas.pdf>. Acesso em: 6 maio 2017.

GIAVINA-BIANCHI, Pedro et al. United airway disease: current perspectives. Journal of Asthma and Allergy, v. 9, p. 93-100, 2016. Disponível em: <https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC4872272/>. Acesso em: 10 maio 2017.

MARK, John David. Pediatric asthma. An integrative approach to care. Nutrition in Clinical Practice, v. 24, n. 5, p. 578-588, 2009.

VARELLA, Drauzio. Asma. 2016. Disponível em: <https://drauziovarella.com.br/drauzio/asma-2/>. Acesso em: 10 maio 2017.